Diretores de Scream revelam a receita secreta de Wes Craven para o sucesso do terror

Assumir uma franquia icônica do diretor Wes Craven não é tarefa fácil. Com Pânico, o quinto título da série, porém, os diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett estão dando tudo de si. O filme apresenta o retorno das estrelas da série Neve Campbell, Courteney Cox e David Arquette, e também encontra Kevin Williamson – que escreveu 1, 2 e 4 – como produtor executivo. Esses não são os únicos links para a franquia que Craven construiu.

Falando ao ., Bettinelli-Olpin e Gillett explicaram que entraram em contato com várias pessoas com quem Craven trabalhou na franquia. Sim, Williamson foi fundamental para a realização do filme, assim como o elenco que retornou, mas muitos outros também foram, incluindo o editor Patrick Lussier, que trabalhou nos três primeiros filmes de Pânico e New Nightmare de Wes Craven.

“Acho que parte desse processo para nós foi construir um retrato de Wes Craven”, explicou Gillett. “Nós não tivemos a oportunidade de conhecê-lo, então conhecê-lo e conhecer seu gosto e o que o influenciou e construir esse universo foi muito importante para nós seguirmos em frente. Mas Patrick nos disse que na edição da abertura do original Grite que Wes disse a ele que o público precisava se sentir como se estivesse nas mãos de um louco e que o filme deveria assumir esse nível de risco – que deveria empurrar o público direto para a beira do penhasco e em seguida, empurre-os.”

Não há dúvida de que a abertura do Pânico inicial faz exatamente isso, com a elaborada sequência de assassinato de Casey Becker (Drew Barrymore). Na época, com Barrymore na frente e no centro de todo o marketing do filme, só se podia supor que ela seria a estrela do filme, em vez de alguém exterminado em 10 minutos. Essa reviravolta chocante deixou o público desequilibrado e definiu o tom sobre o que esperar de um filme Scream. Agora, com a nova parcela, Bettinelli-Olpin e Gillett estão procurando capturar esse mesmo sentimento.

“Como podemos levar as coisas para o próximo nível, certo?” Gillett lembrou-se de ter se perguntado. “Como você pode levar as pessoas à beira de seus assentos e pouco antes de pensarem que vão ter algum alívio, você realmente acumula ainda mais tensão? Acho que é uma das coisas que estão presentes em todos dos quatro originais e foi realmente uma bússola para nós quando estávamos criando o que este filme seria.”

Caberá ao público decidir se eles capturaram o tom certo. Na Review of Scream de Chris E. Hayner, ele disse: “Este é um filme de Scream, por completo. Ainda assim, nunca parece sem originalidade. Os diretores Bettinelli-Olpin e Gillett, bem como os escritores James Vanderbilt e Guy Busick, entregaram um filme mais do que digno da franquia Pânico. E embora possa ser difícil descobrir onde está no ranking, certamente é um candidato a uma das melhores entradas da série.”

Pânico chega aos cinemas nesta sexta-feira.